por quê

a frase lápis azul refere-se à prática de censura cultural durante o longo regime do Estado Novo em Portugal (1933-1974).¹

nesse período, os orgãos de censura costumavam usar lápis cor de azul para marcar aqueles trechos — de livros, revistas, jornais e até as letras de canções populares — que o Governo salazarista considerou ameaçadores para o bem estar do país.

                           

segundo o Mário Zambujal, então chefe de redacção do conhecido jornal lisboeta O Século, os dias depois da revolução estavam marcados para um frenesim de publicação, em que a única resposta que dava certa era “fazer edições contínuas com tudo o que durante tanto tempo tinha sido silenciado.”²

Zeca Afonso

é a partir deste espírito de liberdade que adeus, lápis azul espera fornecer os meios para as pessoas se exprimirem à vontade na esfera pública. conforme este meta, oferecemos preços calculados tendo em conta as circunstâncias do cliente ou a natureza do projecto (“sliding scale”). para aproveitar, basta falar connosco.

—————

NOTAS

¹ Há também um conceito homólogo em inglês, blue-pencil, que quer dizer “fazer cortes editoriais,” por exemplo num manuscrito ou numa película. Este uso está explicado pelo facto que ligeiras marcações feitas em azul tornam-se invisíveis quando reproduzidas por métodos fotográficos ou litográficos. Semelhantemente, a frase pode servir para indicar a censura cultural.

² Como parafraseado neste artigo da RTP.

³ Imagens graças à SIC Notícias, ao Diário de Notícias e ao blogue fadista, Fado Cravo.